segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Filhos e Felicidade: um desabafo


 

De carona na reportagem de capa da Revista Época desta semana, que fala sobre "Filhos e Felicidade", faço deste post meu desabafo (que não deixo de fazer em todos os posts que escrevo!). A Revista levanta a questão "Ter filhos traz mesmo felicidade?" e fala sobre situações ruins pelas quais passam pais e mães, desmistificando que a maternidade/ paternidade seja um conto de fadas.

Eu sou uma defensora assumida da maternidade. Já falei aqui muito sobre ser ou não ser mãe, que ser mãe é o maior poder do ser humano, de quanto realmente custa um filho e que benditas sejam as grávidas. Já até comemorei a bagunça!

Mas eu já escrevi também sobre as dificuldades em ser mãe. Falei que mãe tem que ser forte, já confessei que os filhos são complicados e perfeitinhos, listei os 10 incômodos do pós-parto, citei os deveres de quem pariu Mateus..., falei do Triângulo Amoroso, confessei que não sobra tempo pra Mãe, abri o jogo sobre os momentos de malcriação, que um é pouco, dois é bom e três... e que mãe tem que se virar nos 30.

Mas já que a reportagem cita que a sociedade esconde o lado ruim da maternidade e resolve trazer à tona os problemas causados por ela, eu vou confessar mais:

Há 6 anos não assisto mais televisão.
Cinema em minha programação é luxo.
Não durmo o quanto preciso.
Durante anos acordei muitas e muitas vezes de noite.
Já chorei de cansaço.
Sofria ao amamentar.
Já me senti frustrada por achar que não sabia educar.
Gasto mais do que deveria.
Raramente vou ao shopping.
Tenho trauma do pós-parto.
Fui chamada de grávida depois de parir.
Não tinha roupa que cabia em mim.
Evito saias e tomara que caia.
Não uso mais biquini.
Sobram apenas 10 minutos para eu me arrumar.
Só leio livros infantis.
Evito sair para almoçar.
Minha casa vive bagunçada, com paredes riscadas e manchas de comida no sofá.
Sinto culpa por tudo e qualquer coisa...


Mas amo! Amo muito tudo isso. E querem saber? Não trocaria por nada.


Não quero assistir televisão.
Não quero ir ao cinema nem sair para almoçar.
Não quero dormir muito.
Não quero meu corpo de antes.
Não quero uma casa arrumada.
Não sinto saudades do shopping nem quero sair às compras.
Não quero uma hora para me arrumar.
Não quero economizar.
Não quero férias dos meus filhos e não quero descansar.


Jamais imaginaria voltar atrás. Jamais imaginaria minha vida sem eles.


E é por tudo isso que veio em boa hora a mensagem do post anterior: "Respira, mamãe!", com belos conselhos para as mães cansadas:

"Não se esqueça desses abraços e não os negue nunca. Pode ser que daqui a alguns anos, os abraços que você sinta falta sejam aqueles que você não deu." (autor desconhecido).

Quem disse que a vida é fácil?

Quem reclama do próprio filho esquece quem foi que o educou. O problema não está nas crianças, está na criação delas. E está nas prioridades que elegemos.

Essas são as coisas que eu acredito e que eu resumi dos meus posts anteriores:

  • A vida passa depressa. Não se arrependa por ter visto ela passar sozinho.
  • Ser mãe é um trabalho danado! Um trabalho apaixonante e recompensador, mas duro!
  • Filhos são complicados e perfeitinhos. Mas são tudo que a gente sempre quis.
  • Não há nada mais gratificante na vida do que um filho!
  • Vamos viver nossa maternidade e principalmente curtir todas as coisas boas que ela nos traz!
  • A vida é uma só. Sozinho ninguém vive. Dividir a vida com um filho (ou mais de um) é o paraíso. E se a questão ainda é "ser ou não ser"... seja! Seja mãe um dia!!!






30 comentários:

  1. Que lindo, amiga!! PARABENS!!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  3. Eu li a reportagem e achei os comentários como sempre, alguns muito baixos. Porque toda pessoa que decide não ter filho acha que todos invejamos eles? é triste

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nunca tinha pensado nisso... boa pergunta!!
      Beijos.

      Excluir
  4. Olá, amiga!

    Eu adoro ser mãe e também não trocaria esse prazer por nenhum outro, apesar de todas as dores e chateações que acontecem na vida da gente. Pra mim, o melhor de tudo, é o que os filhos proporcionam pra gente: aprendizado!

    Um beijo

    ResponderExcluir
  5. Hoje acordei cinco e meia da manhã, ajoelhei, orei, tomei meu café sozinha, pois isso me fortalece, ou seja, antes do meu marido e do meu filho acordar eu já estava super bem, pois vive meus momentos deliciosos da manhã, que são só meus...depois de colocar Deus em primeiro lugar e depois de curtir um jornal e tomar meu café, tudo com muito amor, fui para o meu escritório, que é em casa, fechei a porta, ligar meu ar e das seis e quinze as sete postei minhas coisas do Blog, cumpri alguns compromissos no face e no e-mail, pronto, estava com boa parte dos compromissos do dia já realizados. Ainda que muita coisa saia possa sair do ritmo ao longo do dia, já garanti as prioridades...acordar tão cedo só pra isso????? Depende, cada mãe tem seu jeito não é mesmo? Eu sempre me sinto muito mais feliz se vivo o cotidiano dessa forma, pois não me faz bem ficar com correria ao longo do dia, a correria me deixa ansiosa, e tira meu equilíbrio, então, desde que me tornei mãe optei em viver assim, acordando BEM cedo para poder fazer as MINHAS coisas e ter o resto do dia para continuar os desafios, mas com a cabeça leve...depois desse primeiro momento, fui ao supermercado rapidinho buscar um filés de peixe para matar minha vontade de hoje, fui antes do meu marido sair...pronto, já voltei, o peixe já está curtindo um temperinho, meu marido já se foi para o trabalho e meu pequeno ainda está nanando, ele acorda lá pelas nove e meia...sou mãe, amo ser mãe, corro e corro bastante, mas sou completamente feliz e tenho muito tempo pra tudo...pra ele, para o meu marido, para mim....mas sei que pra isso tudo é preciso MUITA força de vontade...obrigada pelo seu post Jamile, me deu um UP sabe, uma força....adoro seus posts...um bjo no seu coração!!!!! Roberta Pimentel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, Roberta!! Gostei do "up"!! Beijos para você também!!

      Excluir
  6. Affff... que dó de mim, rsrsrs, escrevi um comentário enorme contando cada detalhe que já vivi hoje...coisas de quem acorda às cinco e meia da manhã para ser a mãe mais feliz do mundo...primeiro eu acordo muito cedo para curtir a mim mesma, fazer minhas orações, tomar meu café e assitir meu jornal, aí sim fico pronta para viver meus momentos ao longo do dia...mas, tudo que escrevi sumiu Jamile, acredita????? Ai que dó....mas, tudo bem....obrigada pelo seu post, lindo, adorei e fiquei ainda mais fortalecida...qqer hora animo a escrever tudo novamente...rsrsrs...bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perdeu não... Chegou tudo detalhadinho!! Beijos.

      Excluir
  7. Oi Jamile...

    Uma das coisas que tenho mais reclamado são minhas olheiras.. que vontade esticá-las, afundá-las, colori-las pra não aparecerem... Me importo com elas? Sim.. muito.. não gosto de me ver assim.. me envelhece, me deixa com ar de cansada...

    Elas com certeza vem das noites mal dormidas tem quase 6 anos..desde que minha Maria nasceu...

    Hoje eu acordo menos todos os dias: uma ou duas vezes... Quando vou ao banheiro, quase não sei voltar pra cama sem ver como está minha pequena... e dá-lhe olheiras...

    Se quero voltar atrás pra ficar com o rosto mais sereno e jovem? NÃO!!!!

    "Não saberia" mais viver sem minhas bolsas por baixo dos olhos..e sei lá mais o que por um cansaço aqui e uma preocupação ali...

    Sou amorosa e fico brava ao mesmo tempo..
    Mas amo tudo isso... Minha Maria é a maior realização da minha vida... Olho pra ela e as vezes não acredito que ela veio de dentro de mim... que coloquei no mundo alguém tão especial... que ela é "minha" e faz parte da minha existência.. INCRÍVEL tudo isso...

    Quantos não gostariam de ter uns quilinhos a mais.. rugas... olheiras..noites mal dormidas e outras coisas que só quem viveu a maternidade é que sabe...

    As pesquisas e principalmente as revistas, estão aí pra isso.. pra questionarem tudo e nos colocarem caraminholas na cabeça.. Mas aqui não violão..
    Aqui só tem AMOR...Muito amor...

    Lindo artigo... nos faz pensar mais e mais de como é maravilhoso ser mãe... Parabéns..

    beijos grandes e que Deus abençoe você e sua família...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui também não, violão!!!!!! Deus abençoe sua família também!!
      Beijos,

      Excluir
  8. Naõ sei...sou mãe também, tenho uma menina com 2 anos, não parei de trabalhar. Minha filha ficou no berçário. Mais eu e meu marido sempre dividimos os cuidados com ela. De modo que apesar da correria conseguimos ir ao cinema. Este ano vou fazer uma lipo para voltar a usar biquini e geralmente a noite quando estou mais cansada ponho os brinquedinhos na sala e assito TV brincando com ela.Não é fácil, mas convenhamos também não é assim tão pesado.Ah!E tem as avós maravilhosas...sempre, sempre dispostas a dar uma mãozinha(sem abusos, claro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cada um vai conciliando do seu jeito. E fica tudo ótimo!! Beijos.

      Excluir
  9. que lindo texto......eu também amo ser mãe........acho que isso acontece no momento certo para cada uma de nós.....
    bjus

    ResponderExcluir
  10. Oi Jamile!
    Seu texto tá perfeito. Me vi nela em muitos trechos, mais ainda no final, pois NÃO TROCARIA JAMAIS, o meu papel, digamos, de mãe por qualquer outra coisa.
    Eu e o meu marido não conseguimos mais imaginar como seria a nossa vida sem a nossa amada filha.
    Beijos e uma ótima semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Cida!! Ótima semana pra você também.

      Excluir
  11. Jamile que post lindo!!!! É a mais pura realidade....não troco por nada e falo mais.....por mim teria uns 6 filhos...é que vivemos numa sociedade que queremos dar o melhor sempre para os nossos filhos e isto custa caro...amo ser mãe....e isto vc só descobre quando vira mãe. Bjs
    Camila Mamãe Viver BemBom
    http://viverbembom.com.br
    #amigacomenta

    ResponderExcluir
  12. Claro que vocês não querem voltar atrás: não dá! Gente, mas é muita doação física, psicológica, existencial! Para um dia talvez ficar só, principalmente quem tem só um. Sabia que os jovens conversam mais sobre suas vidas com professores e tios? Amar ser mãe e só se descobre quando se é mãe: taí, quem não é, não sente e vive super bem.

    ResponderExcluir
  13. Muito lindo o teu post...adorei tudo o que vcs disse,tbm não mudaria nada,tenho noção de todas as mudanças que a maternidade trouxe p/ mim,se fosse mais jovem até me arriscaria em ter mais,só vou escapar de alguns detalhes.
    Não deixei de ir ao shopping,agora vou e levo minha companheira comigo,até brinquei na piscina de bolinhas com ela(voltei a ser criança)rs.
    Saímos p/ almoçar e muitas vezes p/ jantar,o trio parada dura(pai,mãe e filha),ela adora comer fora.
    Mas deixei de sair p/ festa,não sinto falta,tudo tem o seu tempo,só vou a eventos em que possa levar a minha companheira,e diga-se de passagem ela adora uma festa(baladeira)...hahahahaha.
    Assistindo a um episódio de a cheda do bebê,uma mãe disse p/ o marido após um parto cesárea de emergência,ganhei uma cicatriz...ele responde p/ ela:não querida,vc ganhou experiência,isso é só mais uma experiência de vida.
    Achei a cena tão linda que até chorei.
    Nossa vida materna é muita rica em experiências,todos os dias aprendemos coisas novas,isso faz valer a pena.
    bjs
    #amigacomenta

    ResponderExcluir
  14. É, felicidade é algo muito relativo né? Não acredito que ela seja um fim, mas pequenos momentos! E minha filha me proporciona vários deles.
    Adorei o texto.
    #amigacomenta
    http://www.soumaeeagora.com

    ResponderExcluir
  15. Jamile, às vezes penso que a gente anda discutindo demais a maternidade e por conta disso deixando de vivê-la simplesmente, com suas dores e delícias, como sempre foi desde os primórdios da humanidade. Claro que dá trabalho e claro que é delicioso, só sabe que vive e só! tenho me irritado um pouco com esse excesso de discussão em torno da maternidade pós-moderna - é elucubração demais pra minha cabeça. Pra mim ser mãe é gostoso demais, mesmo com uma puta privação de sono, é e sempre será assim e ponto final. Boba de quem não vive isso! Adorei o post! Beijos Flávia #amigacomenta

    ResponderExcluir
  16. Ai sabe, eu odeio estas generalizações!
    É claro que a maternidade tem o lado chato mas, tb tem o lado bom, aliás, como tudo na vida, né?
    Enfim, observar e pontuar sobre tudo é a grande arte do ser humano então, a gente le, escuta, pensa e filtra o que vale a pena e o que não vale né?
    Eu amo ser mãe, ser mãe é o empreendimento da minha vida, com todos s seus altos e baixos!! FIM! rsrsrs

    Bjo!

    Loreta #amigacomenta;)
    @bagagemdemae

    ResponderExcluir
  17. Olha. Eu fiquei meio chocada com a matéria. Falou só de um lado e esqueceu do outro. Ser mãe é muito bom mesmo. Não troco a experiência por NADA.
    Bjs
    Fabi - Mulher e Mãe
    #amigacomenta

    ResponderExcluir
  18. Não li a matéria, mas concordo com o que vc escreveu sobre ser mãe, as dificuldades e o lado bom tb.
    Sou do tipo que saí da casa dos pais pra fazer faculdade, morei fora do país, conheci um monte de lugar e gente e digo que a maior alegria foi ter tido uma filha! <3
    beijos

    Carol
    Nina Ensina
    #amigacomenta

    ResponderExcluir
  19. Eu to fora... fihos são uma chatice...

    ResponderExcluir