quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Superprotetora, eu?



Muito preconceito existe a respeito das mães superprotetoras. No início, cheguei a negar o rótulo, mas hoje aceito com a maior naturalidade e até um pouco de orgulho. Eu penso que é melhor proteger demais... do que de menos!!!

Além disso, não é uma decisão que se toma conscientemente: "eu vou ser" ou "eu não vou ser". Antes de finalmente "ser", você nunca saberá qual será seu estilo de mãe. Portanto, nada de criticar o comportamento das outras mães. É muito instintivo esse, digamos, excesso de cuidado.

O fato é que criança não é brinquedo. Todo cuidado e toda atenção nem sempre são suficientes. Mãe que é mãe se preocupa com tudo: violência, acidentes e até os cuidados com a higiene, alimentação, amizades e riscos do dia-a-dia.

Sei das consequências psicológicas que meus filhos podem vir a ter, mas sei também dos benefícios por terem uma mãe tão atenciosa e que cuida deles com tanta dedicação e carinho.

Aos que querem chamar de superproteção, aceito o título. Já falei aqui que sou "super" em tudo: super apaixonada, super entusiasmada, super dedicada, super esforçada, super protetora, super normal, SUPER MÃE!!




E para quem é Super Mãe como eu, confira o check list que a Nestlé preparou para cada ocasião. Cliquem nos links abaixo!

Dia-a-dia

Cuidados ao ar livre

Casa segura

Cuidados com o sol

Cuidados na cozinha

Circuito do Banho

10 comentários:

  1. Também acho que carinho, proteção e atenção nunca são demais, afinal eles são tudo para gente, é muito amor. Parabéns por ser uma super mãe!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Taissa! Já vi que você é uma super mãe também!!

      Excluir
  2. As mães superprotetoras são as melhores do mundo!! =)

    ResponderExcluir
  3. Foi um sentimento como o seu que me levou a escrever esse post: http://cbispo.blogspot.com/2012/03/eu-me-reconheco.html

    Me dia o que acha. ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Cris,
      Que bacana! É muito importante a gente se valorizar. Continue sendo uma super mãe!! Beijos, Jamile.

      Excluir
  4. É inevitável que não sejamos super em tudo. Há uma simbiose muito grande entre mãe e filho. Eles nascem de nossas entranhas. Não ligo quando dizem a mim que sou super protetora. Sou, sim. E daí? Amo meus filhos e quero o melhor para eles. Procuro não sufocá-los, mas quero participar de tudo, desde o simples escovar de dentes, a uma reunião na Escolinha. Esse é o meu papel. Foi para isso que escolhi ser mãe. Bjs, Jam e continue escrevendo essas coisas maravilhosas

    ResponderExcluir
  5. Acredito sinceramente que as mães tem sim que participar da vida do fiho(a) acompanhar sua vida dar apoio, mas sempre incentivando essa criança a ser uma pessoa de bem e de bom carater a caminhar sozinho(a) tomar suas proprias decisões. O excesso de AMOR faz mal sim eu estou sentindo isso na pele e não é nada saudavel.O meu marido é e sempre foi superprotegido por sua mãe ele sempre teve de tudo o que pais puderam dar TUDO MESMO a sua SUPERMAEPROTETORA quando ele completou quinze anos ganhou um carro de presente e com esse mesmo carro quase deu fim a propria vida, hoje ele esta fisicamente bem mas ficou com sequelas para resto da vida incapacitado intelectualmente, ele culpa os pais por sempre o proteger demais não impor limites. Hoje ele é um adulto dependente e inseguro e incapaz de tomar qualquer atitude sem a supervisão da pais incapaz de viver a propria vida e de encarar o mundo. Agora pergunto a vocês SUPERPROTETORAS é esse o futuro que querem para seus filhos ou melhor, será que é esse o futuro que ele deseja? o amor de mãe não exige nada em troca ou sera que é barganha ou condição para que ele supra todas as suas necessidades de ser amada. O que sei é que o meu filho vou criar para o mundo por mais que isso vá doer amo meu filho mas não quero ve-lo sofrer no futuro frequentando psicologos e psiquiatras tomando rivotril e outras drogas para curar sua ansiedade seus medos... medos e ansiedade que eu com meu excesso de amor plantei ... emfim... prefiro ve-lo saudavel e feliz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi! Eu não confundiria superproteção com excesso de amor nem muito menos com falta de limites. Para mim são 3 coisas separadas. Muito amor para mim, não faz mal. Faz falta. É disso que muita gente precisa e que o mundo precisa. A falta de limites é um problema seríssimo e cada vez mais comum. Pode ter a ver ou não com superproteção. No meu caso, sou superprotetora, sim, porque cuido com muita atenção dos meus filhos e prefiro fazer isso pessoalmente do que "terceirizar". Mas dou limites, dou bronca, não dou tudo que eles querem. É importante saber separar para identificar o que prejudica a educação da criança. Lembrando sempre que não existem pais perfeitos, como falei no texto. E lembrando também que depois de adultos podemos muito bem reaprender e nos reeducar. Abraços e boa sorte!!

      Excluir